Início | Estudos Multiplos | Meio Ambiente | Cultura e Arte | Administrativo | Fale Conosco
 

Artigos

A arte contemporânea no I Salão Semear
Gustavo Costa

Ação e reação. Quando Isaac Newton publicou a terceira lei da mecânica clássica em 1687, ele talvez não soubesse que também estava falando de arte. Quando a estudante de jornalismo da UFS Marta Olívia Santana Costa, 25 anos, entrou na galeria Jenner Augusto, durante a abertura do I Salão Semear de Arte Contemporânea – Região Nordeste, e se deparou com uma língua de 1,90m de altura por 1,40m de largura, imediatamente sentiu ânsia de vômito. Minutos depois, enquanto os visitantes da exposição aproveitavam a vernissage, irromperam berros do artista plástico sergipano José Fernandes: “Onde está a arte? Eu não estou vendo a arte!”. O que eles não notaram é que suas reações acabaram integrando ainda mais o espaço dedicado à arte contemporânea.

A raiva, a dúvida, a inquietação e o estranhamento também fazem parte dos movimentos artísticos contemporâneos. Ao questionar se arte estava mesmo ali, José Fernandes fez com que a exposição atingisse o seu objetivo. Naquele momento, a arte cumpria o seu papel. De uma forma ou de outra, aquelas obras o tocaram de alguma maneira. No salão organizado pela Sociedade Semear através do Edital de Apoio a Festivais de Fotografias, Performances e Salões Regionais da Funarte, estão presentes todas as impressões que se espera de um salão de arte contemporânea.

Todas as 19 obras cuidadosamente selecionadas pela Comissão de Seleção do Evento integram perfeitamente o ambiente e criam uma forte interação com o público. Dos 18 artistas, seis são de Sergipe, ou seja, um terço do total de um salão que contempla toda a região nordeste. E vale destacar que os sergipanos Alexandre Souza, Benedito Letrado, Jéssica Araújo, Liliu, Linalva Leal e Vinícius Fortes foram escolhidos unicamente por seus trabalhos. A Comissão de Seleção não teve acesso a nenhuma informação dos artistas.

Ao visitante que ainda irá prestigiar o I Salão Semear de Arte Contemporânea – Região Nordeste, prepare-se para ter diferentes sensações. Além da leve vertigem sentida por alguns ao entrar na tenda escura do artista Victor Venas, uma mesma obra, certamente poderá lhe causar três impressões, o impacto sentido pela estudante de jornalismo, a fúria do artista plástico e o deslumbramento de todos com a técnica empregada na tela. Com certeza não poderia haver nada mais contemporâneo.

Ultima Atualização: 31/12/2010

Sociedade Semear - Todos os Direitos Reservados
Rua Leonardo Leite, 148 - São José - Aracaju - Sergipe - Tel: (79) 3022-2052