Início | Estudos Multiplos | Meio Ambiente | Cultura e Arte | Administrativo | Fale Conosco
 

Artigos

É a lógica humanitária desse meu lugar
Cezar Britto

10/06/2006, 07:08





O dia era 22 de julho de 2005. A cidade Londres. O país Inglaterra. O medo dominava a população. O inimigo oculto era chamado de “Terror”. A polícia espreitava a todos, não aceitava que a insegurança vencesse. E mesmo espreitados, todos concordavam com a vigilância. Combater o “Terror” justificava a perda de privacidade, ainda mais quando esta atingia pessoas claramente suspeitas. Combater o “Terror” não admitia complacência. Latinos, árabes, africanos, negros e mulçumanos, suspeitos por nascença, podiam ser abordados, presos ou mesmo eliminados.

O mês era maio de 2006. A cidade São Paulo. O país Brasil. O medo, mudando de endereço, dominava a população paulistana. O inimigo oculto era chamado de “Crime Organizado”. A polícia espreitava a todos, não aceitava que a insegurança vencesse, ainda mais quando vários de seus integrantes eram eliminados. E mesmo vigiados, todos concordavam com a espreita. Combater o “Crime Organizado” justificava a perda de privacidade, mesmo porque tinha como alvo os velhos e conhecidos suspeitos. Combater o “Crime Organizado” não podia admitir piedade. Negros e pobres, suspeitos desde o nascimento, podiam ser abordados, presos ou mesmo eliminados.

Naquele dia londrino, o eletricista brasileiro Jean Charles de Menezes, foi morto com oito tiros na estação de Stockwell, suspeito de pertencer ao time do “Terror”. O competente Chefe da Polícia, Sir Ian Blair, não lamentou o assassinato do inocente latino. Não poderia pedir desculpas, pois matar suspeito fazia parte da estratégia de combate ao inimigo mais cruel. Os londrinos, ao que pareceu, também aprovaram o método de combate adotado. Ninguém pediu desculpas aos brasileiros e amigos do eletricista assassinados. Afinal, como se disse mais tarde, combater o “Terror” não admite clemência.

Naquele mês paulista, descobriu-se depois, tombaram os brasileiros Alex de Oliveira Rocha, Alex Leite Pereira, Alexander Augusto Lopes, Alexandre Aparecido Moreira, Anderson de Oliveira Rocha, André dos Santos Bonifácio Pereira, Aristides Leôncio da Mota Jr., Carlos Alberto da Silva, Carlos Alberto Pereira, Carlos Eduardo Rodrigues, Carlos Luis da Silva, Carlos Sérgio Neto de Oliveira, Cristiano Augusto Rodrigues, Daniel Donchio Scorza, Darci Alves dos Anjos, David Furtado de Araújo, Edinaldo Moura Bessa, Edson de Oliveira, Edson Oliveira dos Santos, Everson Silva de Almeida, Fabrício dos Santos Biudes, Filipe Morresque, Gilson Furtado de Araújo, Hércules Santos da Purificação, Israel Fontes Ribeiro, Ivan José dos Santos, Jairo de Azevedo Coutinho, Jefferson do Carmo Pereira, Jesus Ribeiro Filho, Jonathan Roberto Farias, Leandro Araújo Santos, Lindomar de Souza Lemos, Luis Antonio Somazz, Luiz Henrique Dias Costa, Marcelo Luciano de Oliveira Somazz, Marcio Delbon Pelais, Marcos Antonio de Oliveira, Paulo Arnoso do Vale, Paulo Eduardo Gomes de Oliveira, Paulo José dos Santos Filho, Paulo Ricardo da Silva Teixeira, Paulo Roberto Rodrigues, Rafael Dantas da Silva, Richard Andrei Moreira, Robson do Carmo Messias, Rogério do Carmo Pereira, Ronaldo Ribeiro dos Santos, Sidney da Cunha Pinheiro, Valdiran Gomes dos Santos, Wellington Azevedo da Silva, Wellington William da Silva, Wesley Oliveira da Silva, William Alves Martins, Alan Christian Neves de Melo, Alan Jones Beline Leme, Antonio Ailton Morais Batista, Cleyton Cristiano da Costa, Daniel da Silva Santos, Flávio Gil de Freitas, Jefferson Morgado Britto, Jorge Wesley Lisboa Andrade, José Arruda da Silva Junior, Francisco da Silva, Marcio Ribeiro dos Santos, Marcos Caboclo da Silva, Moises Camargo, Natanael Valentim Candido, Rodrigo Jerônimo de Oliveira, Sérgio de Oliveira Rodrigues, Wesley Rodriguero Cabral Rosa, Eder Bruno Ferrarezi Leso, Edmilton José da Silva, Egnaldo Batista de Souza, Eraldo Nogueira da Silva, Fabiano Maciel Galvão, Francisco Josicleiton do Nascimento, Franz Carlos de Lima, Inácio Gledson Aparecido Severo da Costa, Hélio André dos Santos, Juliano Diogo Leandro dos Santos Aguiar, Leandro Xavier Dias, Luiz Carvalho de Britto, Marcos Rodrigues Pinto, Michael Ferreira da Silva, Nilton Roberto de Assis de Freitas, Rodrigo William de Souza, Silvio Gonçalves da Silva, Ulisses Daniel Carneiro Fernandes e Wellington Araújo Feitosa. Todos eles suspeitos de pertencer ao famigerado “Crime Organizado”, inclusive os trinta “suspeitos” ainda não identificados.

O competente governador paulista, Cláudio Lembo, igualmente não lamentou o possível assassinato de inocentes cidadãos. Não poderia pedir desculpas, pois, assim como faz as autoridades inglesas, matar suspeitos faz parte da estratégia de combate um inimigo mais cruel. Também os paulistas, como se conclui da ausência de protestos, também aprovaram o método de combate adotado. Ninguém pediu desculpas aos familiares e amigos daqueles que foram sumariamente eliminados. Afinal, como costuma se repetir, combater o “Crime Organizado” não admite piedade.

Londres, São Paulo, Blair e Lembo são apenas exemplos de uma vida real. Eles apenas refletem os nossos medos, arrogâncias e preconceitos que habita no coração branco e vitorioso da sociedade. Aqui e alhures, diante do nosso silêncio eloqüente, inclemente e impiedoso, incontáveis latinos, árabes, africanos, mulçumanos, negros e pobre são diariamente assassinados. E não ousamos chamar de “Terror” ou “Crime Organizado” a nossa omissão. “É a lógica humanitária desse meu lugar”.



FONTE: Cinform/Infonet - Ultima Atualização: 28/12/2010

Sociedade Semear - Todos os Direitos Reservados
Rua Leonardo Leite, 148 - São José - Aracaju - Sergipe - Tel: (79) 3022-2052