Início | Estudos Multiplos | Meio Ambiente | Cultura e Arte | Administrativo | Fale Conosco
 

Entrevistas

A homofobia é fruto do machismo
28/04/2011 - Luiz Mott

Qual o percentual de homossexuais no Brasil?

 – Não há estatísticas oficiais sobre a comunidade LGBT, porem, com base no Relatório Kinsey e outras pesquisas mais recentes, calcula-se que os homossexuais representam por volta de 10% da população brasileira, portanto, 20 milhões de pessoas dos dois sexos.

Quais os números da violência contra homossexuais no Brasil?

 – O Brasil é o campeão de assassinato de homossexuais no mundo, a cada 36 horas um gay ou travesti barbaramente assassinado, vitima da homofobia. Foram documentados 260 assassinatos de gays, travestis e lésbicas no Brasil no ano passado (2010), 62 a mais que em 2009 (198 mortes), um aumento 113% nos últimos cinco anos (122 em 2007). Dentre os mortos, 140 gays (54%), 110 travestis (42%) e 10 lésbicas (4%). O Brasil confirma sua posição de campeão mundial de assassinatos de homossexuais: nos Estados Unidos, com 100 milhões a mais de habitantes que nosso país, foram registrados 14 assassinatos de travestis em 2010, enquanto no Brasil, foram 110 homicídios. O risco de um homossexual ser assassinado no Brasil é 785% maior que nos Estados Unidos. Neste ano o GGB outorgou o troféu Pau de Sebo ao Deputado Jair Bolsonaro na condição de maior inimigo dos homossexuais do Brasil, considerando que sua cruzada antigay estimula a prática de crimes homofóbicos.

Qual o estado brasileiro é o mais violento em relação aos homossexuais?

 – 1- Bahia 2- Rio de Janeiro e São Paulo 3- Alagoas

O que torna ou faz as pessoas homofóbicas?

 – A homofobia é fruto do machismo e tem na Bíblia sua inspiração que condenava as mulheres a serem submissas aos homens e considerava o amor entre dois homens uma abominação passível de pena de morte a pedrada.

Sergipe apresenta dados preocupantes em relação à homofobia?

 – Sim. Com 09 assassinatos registrados em 2010, ocupa o nono lugar, sendo, porém o 22º estado em população, o que reflete grande homofobia.

A mídia é uma aliada contra a violência e o preconceito?

 – Felizmente a mídia melhorou um pouco nos últimos anos, não mais usa termos pejorativos e ofensivos ao tratar dos homossexuais. Porém, ha ainda pouco espaço para noticias positivas sobre homossexualidade e homofobia.

Muitas pessoas escondem a homossexualidade da sociedade (amigos, família), as vezes por medo. O que você diria a essas pessoas? Qual o momento de “sair do armário”?

 – O movimento homossexual insiste para que as pessoas saiam do armário, afirmem sua identidade homossexual, pois se sentem mais livres, mas felizes e verdadeiras. Cada um sabe o momento e com quem deve se assumir, deve primeiro revelar aos amigos, conseguir seu apoio, para depois revelar para toda a família. Os que não aceitarem não são dignos da amizade

O que você acha da união estável entre pessoas do mesmo sexo?

 – É um direito humano fundamental, tem de ser aprovado o casamento integral, como em Portugal, Argentina, Holanda, etc, pois só o preconceito ainda impede que os LGBT possam se casar.

Você é a favor da adoção de crianças por casais do mesmo sexo? Esses filhos terão algum problema no futuro? Poderão também ser homossexuais?

 – Sim, a experiência mostra que gays e lésbicas são ótimos pais e mães, e atualmente, há tanto filho de pais separados ou criados apenas por mãe ou pai, sem ter problemas. Pesquisas revelam que crianças e adolescentes criados por gays não são mais homossexuais que filhos de pais heterossexuais. E se forem gay, qual é o problema, se homossexualidade não é crime, nem doença nem pecado!?

Você é a favor das paradas gays?

 – Claro que sim. As paradas são espaço para jovens gays saírem do armário, se beijarem em publico, afirmarem sua identidade e orgulho. Também momento importante para os heterossexuais demonstrarem sua simpatia e apoio à cidadania homossexual.

Sociedade Semear - Todos os Direitos Reservados
Rua Leonardo Leite, 148 - São José - Aracaju - Sergipe - Tel: (79) 3022-2052